quinta-feira, 2 de março de 2017

A JORNADA DA CONSCIÊNCIA E AS DOZE CASAS

A JORNADA DA CONSCIÊNCIA E AS DOZE CASAS





A complexidade humana sempre foi objeto de reflexão e de inquietação filosófica, a começar pela diversidade de temperamentos, perfis psicológicos e habilidades. Embora o gênero humano compartilhe os mesmos princípios independente das especiações raciais, culturais e geográficas nos causa espanto o alcance do seu espectro criativo e mais ainda, do seu espectro comportamental, que atinge extremos quase ficcionais. Como uma mesma espécie é capaz de manifestar sentimentos tão nobres e elevados, de realizar feitos técnicos e artísticos impressionantes; e por outro lado, se rebaixar a atos de indizível crueldade contra seus semelhantes e contra outras espécies,abusando de expedientes perversos e intencionalmente pensados?

Tendo em vista essa diversidade de tipos e orientações, os sábios da antiguidade elaboraram e desenvolveram sistemas de tipologia capazes de identificar tanto os perfis psicológicos básicos, como também, setorizar a atividade humana para que todos esses perfis pudessem se localizar e serem localizados de modo definido. Falamos, portanto, em sistemas complexos que integram o “onde” (campo de atividade) com o “como” (agente). E um desses “mapas” é o sistema das Doze Casas, “inspirado” numa configuração sideral macrocósmica conhecida como “zodíaco “ e transposta para o microcosmo humano.

O Sistema das Doze Casas pode ser estudado como um conhecimento próprio e independente da Astrologia (que o inclui), sem entretanto, limita-lo a sua linguagem e especificações; e isso pode ser comprovado pelo interesse que o tema vem despertando em estudantes e praticantes de Psicologia e de terapias comportamentais em geral. A explicação para a inclusão desse método é a sua forma simples de relacionar o sujeito ativo com o ambiente passivo e de como ambos se influenciam, como ambos "intersão". Ato contínuo, quando nos referimos às Casas como setores/ segmentos da experiência humana, também nos referimos em como essas áreas definem e determinam como nos expressamos na vida.

Estudar e imergir nas Casas nos abre um vasto horizonte a ser explorado dentro do universo do autoconhecimento. Isso porque estamos falando de  portais de consciência e de experiência manifestados como ambientes fixos com seus poderes, princípios e atributos próprios ainda que interelacionados entre si. Esses campos possibilitam desenvolver diferentes tipos de Inteligência, virtudes e habilidades conforme a tipologia do agente e seu respectivo nível de consciência desperto. Com efeito, podemos subentender que uma Casa tanto pode se revelar como um domínio de atividade hígido, como uma área disfuncional, tudo depende dos instrumentos(meios) disponíveis e do "quantum" de consciência desperta em atividade.

Por exemplo: A Casa Sete é o ambiente no qual somos projetados para a vida social, o campo onde aprendemos a lidar com o “outro” de maneira não individualista(Casa Um), mas antes, considerando e respeitando suas características pessoais, habilidades, competências, etc. É nessa casa que podemos aprender a desenvolver relações corretas fiadas na ética e na harmonia das partes reunidas, e isso fez com que ela recebesse a alcunha "Morada da Justiça". Por outro lado, é nessa mesma Casa onde fazemos as “projeções”, o espelho que reflete nossas idealizações e expectativas de como nosso parceiro e associados devem se portar em relação a nós. A sombra, portanto, é a projeção e a dependência que podem ser tanto de caráter afetivo, como de caráter social. Mas essas sombras se notabilizam de modo especial na associação mais íntima e probatória de todas: O Casamento. É por meio desse vínculo fundamental que expiamos quais as motivações que nos relaciona com nosso parceiro. O casamento só será uma experiência vertical e transformadora quando houver a união interna entre a Alma e a personalidade, o simbólico enlace alquímico conhecido como “As núpcias Alquímicas do Sol e da Lua(Consciência e Forma)”. Uma vez que esse conúbio tenha inicio e seja aprofundado, os relacionamentos passam a ser verticais, criativos e pautados pelo Amor, não por carências. 

Cada casa é um território com "topografia" própria, com cenários únicos que exigem habilidades únicas, mas a verdade é que exploramos apenas as camadas mais superficiais de cada casa. E para limitar ainda mais essa vivencia, relutamos ao máximo explorar outras casas, outros territórios! Isso porque tendemos a ser especialistas ao invés de versáteis, um paradoxo quando sabemos que somos também seres ousados e desbravadores. Mas a verdade é que essa versatilidade tende a ser forçada pela imposição de circunstancias adversas, quando o ambiente conhecido esgota suas possibilidades( mesmo que momentaneamente) e nos obriga a buscar outros territórios, ou então, recorrer àqueles que não tendo sido prioritários, foram relegados a segundo plano . Mas o que gera o esgotamento de uma casa, o que faz "a fonte secar"? A explicação está no principio da interdependeria, ou na teoria dos sistemas: quando um sistema se fecha em si mesmo a tendencia é que ele desabe sobre a sua própria estrutura, já que lhe será impossível existir de forma hígida e interdependente com o Todo. De acordo com Pietro Ubaldi, esse sistema egoísta se torna um "anti-sistema" capaz de existir somente por pilhagem. A experiencia saudável exige abertura para que haja troca de calor, informação, matéria e competências com outras áreas, entidades e  sistemas.

(continua na parte 2)






sábado, 2 de abril de 2016

Cursos de Astrologia da Alma

Cursos Astrologia da Alma







A Astrologia da Alma (ou dos Sete Raios) é uma linha de estudo e interpretação da Astrologia baseada na correlação existente entre a astrologia tradicional com o sistema conhecido como "Esotérico", termo assim proposto por revelar aspectos interiores aos considerados pela Astrologia clássica. Dentre esses aspectos "internos", tem destaque a ação dos Sete Raios sobre os signos e os planetas, o que torna a simbologia e a prática astrológica ainda mais complexa e fascinante.

Inicialmente, enfatizamos os princípios elementares do estudo da Astrologia: suas origens, fundamentos, os arquétipos zodiacais e a tipologia humana, as regências planetárias e os elementos. Num segundo momento, incluímos a perspectiva esotérica que inclui os Raios e a leitura do mapa astrológico segundo a perspectiva da Alma, entendida aqui, como o Eu Superior, o Ser permanente que age por trás da personalidade.

Programa do Curso:

Modulo 1:
-Os Fundamentos da Astrologia
-As Sete Leis de Hermes Trismegisto
-Cosmosofia: O Macrocosmos espelhado no Microcosmos Humano
-O Zodíaco e os Arquétipos
-Planetas: Deuses em essência
-As casas astrológicas, os planetas, os elementos e as direções: compreendendo a engrenagem 
-Os signos como perfis tipológicos

Modulo 2:
-Fundamentos da Astrologia da Alma
-Os Sete Raios e os Signos Astrológicos
-Meditação e práticas fundamentas no Mapa natal


Duração do Curso:
Modulo 1: 8 meses
Modulo 2: 4 meses

O Curso será ministrado semanalmente com aulas de aproximadamente 1:45 de duração.
O valor não contempla apostilas.





quinta-feira, 21 de maio de 2015

quinta-feira, 5 de junho de 2014

OS RAIOS E A ASTROLOGIA ( PARTE 1)




 COMPREENDENDO OS RAIOS


As dez premissas fundamentais de manifestação dos Raios:
(Tratado dos Sete Raios - Mestre Djwal Khul)

1. Há uma só vida que se expressa primeiro através de Sete qualidades ou aspectos básicos e,  segundo, por meio de uma infinidade de formas.

2. Estas Sete qualidades radiantes são os Sete Raios,que se combinam para compor a diversidade cósmica. As Sete vidas que dão a sua vida para as formas, que dão ao mundo da forma o seu significado, as suas idéias e sua ânsia para evolucionar.

3. Vida,qualidade, aparência, Espírito, Alma e Corpo constituem tudo o que existe. São a própria existência com a sua capacidade de crescimento: atividade, manifestação de beleza em plena conformidade com o Plano Maior, que tem as raízes na consciência das vidas dos Sete Raios.

4. Estes Sete Raios, cuja natureza é consciência e cuja expressão é sensibilidade e qualidade específica, produzem ciclicamente o mundo manifestado. Trabalham na mais íntima união e harmonia, cooperando inteligentemente com o plano de que são guardiões. São os 7 construtores que erguem o tempo radiante do Senhor, sob a direção do mental do Grande Arquiteto do Universo.

5. Cada vida de Raio exprime-se predominantemente através de um dos 7 planetas sagrados. Mas a vida dos Sete Raios flui por meio de cada planeta incluindo a Terra, e qualifica assim todas as formas. Cada planeta é uma reprodução reduzida do esquema geral. E cada um está de acordo com a intenção e o propósito do Todo.

6. A humanidade de que se ocupa este tratado é uma expressão da vida de Deus e todo o ser humano veio a existir pela via de uma das Sete forças de Raio. A natureza da alma é qualificada ou determinada pela vida de Raio que a emitiu, e a natureza da forma é colorida pela vida de Raio  que, na sua aparição cíclica no plano físico, um dado momento, estabelece a qualidade da vida racial e das formas dos reinos da natureza. A natureza da alma ou qualidade é a mesma durante um período mundial; a natureza e a vida de sua forma mudam a cada vida, segundo a necessidade cíclica e as condições de grupo do meio ambiente. Esta última é determinada pelo Raio ou Raios que prevalecem neste momento.

7. A Mônada é a vida vivida em uníssono com as Sete vidas de Raios. Uma Mônada, 7 Raios e miríades de formas, tal é a estrutura que se encontra por trás dos mundos manifestados,mundos que não estão acessíveis ao homem comum,que vive sob o imperativo dos sentidos e do instinto.

8. As Leis que governam o aparecimento da qualidade ou alma por meio de formas, são simplesmente o propósito mental e a orientação da vida dos Senhores dos Raios. O seu propósito é imutável, a sua visão é perfeita e a sua justiça é suprema.

9. O método ou sistema de desenvolvimento da humanidade consiste na realização e na expressão de si mesma. Quando este terminar, o Eu assim expressado é o Eu ou Vida de Raio e a realização alcançada é Deus, que se revela tanto como qualidade no mundo manifestado como vida que anima a aparência e a qualidade. As 7 vidas de Raios ou os 7 tipos de alma são considerados como expressão da vida Una e a diversidade perde-se na visão do Um e na identificação com o Um.

10.O método empregado para chegar a esta realização é a experiência que começa na individualização e acaba na Iniciação, produzindo assim a perfeita fusão e expressão da vida, qualidade e aparência.


A CIÊNCIA DOS SETE RAIOS

Antes de falarmos sobre os Sete Raios e suas características,cabe fazer uma importante observação: O que hoje em dia é veiculado em nome dos "Sete Raios da Fraternidade Branca" tem pouco ou quase nenhum valor real do ponto de vista dos Ensinamentos originais, posto que no intuito de tornar acessível e popularizar o assunto, certos autores subtraíram (e traíram) os Princípios em prol dos atributos. O que isso quer dizer? Quer dizer que ficaram presos nos adereços,  nas manifestações “exotéricas” dessas forças, como por exemplo as cores( é comum as pessoas se referirem aos Raios como sendo apenas isso: cores),pedras preciosas, mestres, musicas e invocações. Não que essas correlações não existam ou não tenham legitimidade e importância,todavia, pouco acrescentam em termos de conscientização(tomada de consciência) e nada revelam sobre a Psicologia profunda que esse ensinamento reserva. 

Então,afinal,o que são Os Raios?  São Cores, vibrações, frequências, notas, Mestres, Arcanjos? Ou tudo isso, ou nada disso?


Os Raios são qualidades ou tônicas da Vida Una, diferenciações da Força Criadora Divina.  Similar ao prisma que "decompõem" a Luz incolor em Sete frequências/vibrações específicas,assim é com os Raios: frações vibracionais de um mesmo princípio, "perfis" distintos fundamentais para dar ritmo e dinâmica à evolução. Como dizia o genial Huberto Rohden "Se tudo fosse somente unidade sem diversidade reinaria a monotonia ,na mesma razão de que se houvesse apenas diferença sem unidade, reinaria o caos(...). Por isso foi criada a palavra mais genial de todas: UNIVERSO, O UNO QUE SE REVELA POR VERSOS(DIVERSOS), OU A DIVERSIDADE DA UNIDADE". Isso condensa perfeitamente a função dos Raios.




Os Raios existem antes da Criação do Universo(que deve ser entendido como um conjunto de dimensões/planos); são emanados por Sete Centros de Força conhecidos como  "Os Sete Deuses Menores" gerados pela Santíssima Trindade  PAI-FILHO-ESPÍRITO SANTO, mais especificamente pela Terceira Pessoa,correspondente à Mente Divina-Inteligencia Criadora, o aspecto "Atividade". Esse Terceiro Aspecto é o responsável pela  dinâmica e pela diversidade do Poder Uno do Pai. Todos os elementos químicos, as dimensões e as combinações quase infinitas que observamos na natureza são obras do "Tecelão Divino", como muito bem definiu o Teósofo Charles Leadbeater. Já O Aspecto Filho(Cristo Cósmico) é Amor-Consciência,o Poder de Coesão entre Unidade(Pai) e Diversidade(E.Santo). O Filho é o Trono que infunde vida e propósito ao Plano, o que explica o axioma "Tudo é Amor".







A MATEMÁTICA MISTICA DOS NÚMEROS

É fato inconteste que praticamente todas as religiões e tradições espiritualistas/ misticas são consensuais quando postulam que Deus é Unidade(1) que se revela como Trindade(3) e age por meio de Sete forças/poderes(7). Disso resulta o Sagrado Numero 137, que pode ser "lido" da seguinte forma: DEUS É UM QUE SE EXPRESSA POR TRÊS TRONOS, QUE GERA SETE FILHOS QUE GERAM A DIVERSIDADE. A soma de 137 é 11, que representa os sete(7) planos maiores do universo mais a trindade(3) gerada pela unidade(1). Na soma teosófica o numero 11 é reduzido para 1+1=2. O numero 2 representa a Segunda Pessoa da Trindade, o CRISTO-LOGOS CÓSMICO que é O Amor como poder de coesão e sustentação de todo Plano.

Os Luzeiros/Deuses  dos Raios são os Poderes Arquitetônicos da Mente Divina. Esses Senhores ou “Rajas”(Reis)são reconhecidos em todas as tradições sob nomes variados: "Os Sete Arcanjos perante O Trono do Pai" vigente na Bíblia, como também os Sete Dhyane Budas Celestiais( Senhores Criadores), "Os Sete Rishis" da Cosmologia Védica; e ainda Os Sete Orixás Primordiais das tradições Africanas. 

Nada, absolutamente nada existe sem a assinatura criadora desses Luzeiros Primevos, cujas tintas são os Raios. Desde uma Galáxia até o mais simples dos elementos químicos passando por tudo quanto possa existir "entre a terra e o céu" é tingido pelos Raios.

Os ensinamentos contidos no Sepher Yetsirá, o mais esotérico dos textos formativos da Qabala, postulam que o numero representa a quantidade, enquanto que a letra representa a qualidade.  O número sete(7) é a "medida" formativa do nosso sistema solar, pois por ser resultado da soma do Três 3(espírito) + Quatro 4(matéria) está na base matemática de diversos fenômenos, dos mais concretos aos mais subjetivos. Eis alguns: 


7 notas musicais, 
7 dias da semana, 
7 Plexos nervosos, 
7 cores do Arco íris, 
7 Planetas visíveis, 
7 dias(Eons~eternidades) da criação,
7 Chacras, 
7 Corpos, 
7 Planos, 
7 Planetas Sagrados

Tendo suas fontes de emanação acima do universo criado, os Raios são canalizados, processados e distribuídos por uma sequencia de centros de forças cósmicos. Até que os Raios cheguem ao nosso universo local(A Terra)Eles são especializados por chacras cósmicos e depois distribuídos no planeta por uma Hierarquia de Atividade Divina conhecida como Hierarquia Espiritual Planetária (Fraternidade Branca) que é “O Quinto Reino” da natureza formado por Seres Cosmocentricos e Cosmorealizados. Dentro dessa Hierarquia existem “departamentos” com seus respectivos dirigentes responsáveis por tudo o que concerne a manifestação de cada Raio no planeta e na Sociedade humana. O Quinto Reino é o “transformador” de tudo o que concerne a Atividade Divina junto ao nosso planeta, é a "ponte" entre o infinito e o finito.

Mas como os Raios atuam no Homem enquanto individuo? Atuam de modo análogo com o Macrocosmos conforme o enunciado Hermético: o que está embaixo corresponde ao que está em cima; e o que está em cima corresponde ao que está embaixo. Portanto, cada um de nós traz a sua constelação particular de Raios sob a forma de temperamentos, inclinações psicológicas e especializações funcionais. E é estudando os Raios como dispositores psicológicos que podemos experimentar um caminho para o autoconhecimento extremamente rico e fascinante, capaz de nos colocar em ressonância com a cadeia infinita de Vida-Consciência na qual vivemos. Esse caminho é conhecido como Psicologia Esotérica, ou Psicologia dos Sete Raios, incluída no estudo e na prática da Astrologia da Alma.


(continua na parte 2)


quinta-feira, 29 de maio de 2014

As Regras da Senda ( Alice Bailey)

As Regras da Senda
(Regras do Caminho)




-A Senda é trilhada em plena luz do dia. Nada pode ser escondido, e a cada volta, o viajante  deve confrontar-se consigo mesmo. Conforme avança, leva consigo uma parte do guardião do umbral planetário. Quando um Iniciado se torna um Adepto ele leva ao Adeptado uma porção da Humanidade. Isso precisa ser meditado pelo Aspirante desenvolvido, pois o comum não pode encetar tamanho esforço. Seu guardião pessoal ainda está por deveras ativo. Quem pensa no caminho como uma realização pessoal ainda está cativo do guardião e, portanto, não pode contemplar a cadeia do infinito. Assim, somente o coração esquecido de si mesmo consegue chegar até Nós e ser acolhido como um canal para escoar o Fogo da Hierarquia. Mas ele escoa o Fogo do Coração do Mundo na proporção em que escoa a dor do mundo. O Buda ensinou isto. Poucos, de fato, o compreenderam.

-No Caminho o escondido é revelado. Cada um vê e sabe da vileza de cada outro (Não posso encontrar nenhuma outra palavra que designa a estupidez não revelada, a baixeza e ignorância crassa, e o auto-interesse que são as características distintivas do aspirante comum). E, no entanto, com aquela grande revelação, não há retorno, não há rejeição de uns aos outros e não há debilidade na Senda. A Senda segue em direção ao dia. Vê a vileza do outro para despertar a máxima compreensão, esse bálsamo do coração, pois na medida em que vejo a vileza do outro, também estou visível a quem me estende a mão um degrau acima.

-Ninguém percorre o Caminho sozinho. Não existe afobação nem pressa. E, no entanto, não há tempo a perder. Cada Peregrino, sabendo disso, força seus passos para frente e se encontra rodeado por seus companheiros. Alguns caminham à frente: ele segue. Alguns caminham atrás: ele estabelece o ritmo. Ele não viaja sozinho. A sensação de solidão é uma miragem a ser superada, ainda que estar sozinho possa inicialmente ser uma condição desejável quando as forças da Alma são transferidas para a personalidade. A ebulição dos fogos sutis pede reclusão  e reserva.



-Três coisas o Peregrino deve observar:
 Usar um capuz, a máscara que encobre seu rosto dos outros; levar um cântaro com água somente para suas próprias necessidades; carregar nos ombros um cajado sem um gancho para segurar.

-Cada Peregrino na Senda deve carregar consigo aquilo que ele precisa: um braseiro, para aquecer seus companheiros; uma lanterna, para iluminar seu coração e mostrar aos seus companheiros a natureza de sua vida velada; uma bolsa com ouro, que ele não espalha na Estrada, mas divide com os outros; um vaso lacrado, onde ele leva todas as suas aspirações, para depositar ante os pés Daquele Que aguarda para recebê-lo no portão - um vaso lacrado.

-O Peregrino, à medida que percorre o Caminho, deve ter o ouvido aberto, a mão generosa, a língua silenciosa, o coração purificado, a voz suave, o passo rápido e o olho aberto para ver a Luz. Ele sabe que não viaja sozinho.




Texto adaptado do Livro Miragem: um problema mundial, de Alice A. Bailey

Pérolas dos Ensinamentos 1


Perolas dos Ensinamentos





Amai!
Amai com o amor puro
que não exige recompensa,
com o amor impessoal
que se regozija quando há resposta,
embora não a espere.
Amai
constante, silenciosa e profundamente,
apesar das aparentes divergências.
Amai


com a segurança de que todos,

quando tiverem encontrado

o caminho e a morada,

compreenderão que não há caminho nem morada,
mas apenas Unificação.



A vida é apenas um breve momento
no largo ciclo da Vida.
O que vos leva a conhecer a fraqueza
de vosso irmão e a vos fixardes nela?
O que vos impulsiona à crítica e ao ressentimento?
A crítica é um reflexo do desamor.
Sereis ainda tão imperfeitos,
faltar-vos-á ainda tanto amor,
que o conhecimento vos possa conduzir
aos negativos véus da separatividade?
Aprendei a amar. E desse amor advirá a luz
que vos conduzirá ao verdadeiro conhecimento.
Só então a Vida se vos abrirá,
trazendo-vos novos ciclos de união,serviço e beleza.



Mestre D.K por Alice Bailey



Do livro “SERVINDO A  HUMANIDADE”

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

As Tarefas

AS DOZE TAREFAS ( com pequenas variações sobre o tema...)




Um dia, Deus plantou a vida humana em doze crianças. ... E naquela manhã, Deus compareceu ante suas doze crianças e, a cada uma delas entregou uma missão e deu uma dádiva. Uma por uma, cada criança deu um passo à frente, para receber o dom e a função que lhe cabia.






"Para ti, Áries,  Dou a primeira semente, para que tenhas a honra de plantá-la. Para cada semente que plantares, mais outro milhão de sementes se multiplicará em suas mãos. Não terás tempo de ver a semente crescer, pois tudo o que plantares criará cada vez mais e mais para ser plantado. Tu  serás o primeiro a penetrar o solo da mente humana levando Minha Ideia. Mas não cabe a ti alimentar e cuidar dessa ideia, nem questioná-la. Tua vida é ação, e a única ação que te atribuo é a de dar o passo inicial para tornar os homens conscientes da Criação. Por este trabalho, eu te concedo a virtude do Respeito por Si Mesmo.Mas saiba ser cordial e atento quanto as necessidades alheias."
Silenciosamente, Áries retornou a seu lugar.





"A ti, Touro, Eu Dou o poder de transformar a semente em substância. Grande é a sua tarefa, e requer paciência, pois tens que terminar tudo o que foi começado para que as sementes não sejam dispersadas pelo vento. Não deves assim questionar, também não deves mudar de idéia no meio do caminho, nem depender dos outros para a execução do que te peço. Para isso, Eu te concedo o dom da Força. Mas tenha cuidado para não te apegar aos frutos dos teus feitos,pois serás escravo dos objetos.Trata de usar a força sabiamente!"
E Touro voltou a seu lugar.




"A ti, Gêmeos, Eu Dou as perguntas sem respostas, para que possas levar a todos um entendimento daquilo que o homem vê ao seu redor. Tu nunca saberás por que os homens falam ou escutam, mas em tua busca pela resposta encontrarás o Meu dom, reservado a ti: o Conhecimento.Mas mantenha-te alerto para não condenar o meu conhecimento à superfície do intelecto,pois se assim fizer,a sabedoria jamis poderá adentrar em teu coração"
E Gêmeos voltou a seu lugar.





"A ti, Câncer, atribuo a tarefa de ensinar aos homens a emoção. Minha ideia é que provoques neles risos e lágrimas, de modo que tudo o que eles vejam e sintam desenvolva uma plenitude desde dentro. Para isso, Eu te dou o dom da Família e da memória, para que tua plenitude possa se multiplicar.Mas tenha cautela para não te apegar ao passado e nem as tradições mortas,pois estarás sepultado na própria memória."
E Câncer voltou a seu lugar.




"A ti, Leão, atribuo a tarefa de exibir ao mundo Minha Criação em todo o seu esplendor. Mas deves ter cuidado com o orgulho, e sempre lembrar que é Minha a Criação, e não tua. Se o esqueceres, serás desprezado pelos homens. Há muita alegria em teu trabalho, basta fazê-lo bem e torná-lo radiante como o próprio sol,teu guia e manifestação máxima do meu Amor. Para isso Eu te concedo o dom da Honra."
E Leão voltou a seu lugar.




"A ti, Virgem, peço que empreendas um exame de tudo o que os homens fizeram com Minha Criação. Terás que observar com perspicácia os caminhos que percorrem, e lembrá-los de seus erros, de modo que, através de ti, Minha Criação possa ser aperfeiçoada. Para que assim o faças, Eu te concedo o dom da Pureza.Mas tenha cuidado para não sucumbir ao demônio do perfeccionismo,pois serás alvo da tua própria crítica e acabarás condenado a solidão."
E Virgem voltou a seu lugar.




"A ti, Libra, dou a missão de servir, para que o homem esteja ciente dos seus deveres para com os outros; para que ele possa aprender a cooperação, assim como a habilidade de refletir o outro lado de suas ações. Hei de te levar onde quer que haja discórdia e, por teus esforços, Eu te concederei o dom do Amor.Mas trate de estar vigio para que não faça do Amor uma necessidade vinda do exterior,impedindo que Ele flua do teu próprio íntimo. Não dependas."
E Libra voltou ao seu lugar.






"A ti, Escorpião,  darei uma tarefa muito difícil. Terás a habilidade de conhecer a mente dos homens, mas não te darei a permissão de falar sobre o que aprenderes. Muitas vezes, te sentirás ferido por aquilo que vês e, em tua dor, te voltarás contra Mim, esquecendo que não sou Eu, mas a perversão da Minha Ideia o que te faz sofrer. Verás tanto e tanto do homem enquanto animal, e lutarás tanto com os instintos em ti mesmo que perderás o teu caminho; mas quando finalmente voltares, terei para ti o dom supremo da Finalidade. A cada sombra pessoal elevada à Luz,estarás elevando uma parte da sombra da humanidade. Por isso terás minha proteção se tua bússola estiver orientada pra Mim. "
E Escorpião voltou a seu lugar.




"A ti, Sagitário, Eu peço que faças os homens rirem, pois diante das próprias sombras, eles se tornam amargos. Através do riso, darás ao homem a esperança e, por ela voltarás seus olhos novamente para Mim. Conhecerás a inquietação da infinitude,e por isso,estarás sempre apontando teu arco para um alvo,e assim,aprenderás que o Conhecimento de Deus está em cada alvo,mas a Iluminação resultante da verdadeira Sabedoria só poderá ser alcançada dentro do teu próprio Centro. A ti Sagitário, darei o dom da Infinita Abundância, para que te possas expandir o bastante, até atingir cada recanto onde haja escuridão, e levar aí a luz.Mas mantenha-te atento para não exagerar em tua busca,esquecendo o simples e o essencial que te circunda na eternidade de cada momento."
E Sagitário voltou a seu lugar.






"A ti, Capricórnio, quero o suor de tua fronte, para que possas ensinar aos homens o trabalho. Não é fácil a tua tarefa, pois sentirás todo o labor dos homens sobre teus ombros; mas, pelo jugo de tua carga, te concedo o dom da Responsabilidade e da Iniciação do mundo.Erguerás a pedra bruta ao céu e lá edificarás um templo.Mas não faça da responsabilidade um fardo,pois EU sou o Pai da graça e da Bem-aventurança .e SE FIZERDES DA MINHA OBRA UM SACRIFÍCIO,ASSIM SERÁ O TEU EXISTIR."
E Capricórnio voltou a seu lugar.




"A ti, Aquário, dou o conceito de futuro, para que através de ti o homem possa ver outras possibilidades. Terás a dor da solidão, pois não te permito personalizar o Meu Amor. Para que possas voltar os olhares humanos, Eu te concedo o dom da Liberdade, de modo que, livre, possas continuar a servir a humanidade, onde quer que ela esteja.Mas tenha cuidado para não se distanciar demais do teu semelhante por considerá-lo comum,pois é para o bem comum que tua habilidade existe. "
E Aquário voltou a seu lugar.




"A ti, Peixes, Peço-te que reúna todas as tristezas dos homens e as traga de volta para Mim. Tuas lágrimas serão, no fundo, Minhas lágrimas. A tristeza e o padecimento que terás de absorver são os efeitos das distorções impostas pelo homem à Minha Ideia, mas cabe a ti levar até ele a compaixão, para que possa tentar de novo. Por esta tarefa, Eu te concedo o dom da Compreensão. Mas este dom do Entendimento é só para ti, Peixes, pois quando tentares difundí-lo entre os homens, eles não te escutarão. Ainda sim, não te faças de vítima,pois estarás apartado do meu Ser e da minha obra."
E Peixes voltou a seu lugar.

Depois de todas as crianças terem ouvido suas missões e dádivas, Deus disse: "cada uma de vocês recebeu uma parte da Minha Ideia. Vocês não podem confundir nenhuma das partes, nem desejar trocá-las entre si. Cada uma de vocês é perfeita. Mas somente saberão disto quando todas as doze forem uma. Então, o todo da Minha Ideia será revelado."
E as crianças saíram com a determinação de fazerem seu trabalho o melhor possível. Mas, na verdade, nenhuma delas compreendeu o que deveria fazer e voltaram confusas.
Ao encontrar-se diante dessa situação, Deus percebeu que cada uma das crianças pensava que as dádivas e missões das outras eram melhores. E Deus permitiu que as crianças trocassem entre si o que quisessem. E elas ficaram eufóricas diante de todas as possibilidades dessas novas missões.Deus apenas observava, mas sorriu quando disse: "vocês ainda voltarão muitas vezes a Mim para serem dispensadas de suas missões e, a cada vez, Eu concederei seus desejos. Vocês viverão incontáveis encarnações antes de completarem a missão original que lhes determinei. Para isso, Eu lhes dou um tempo incomensurável para realizá-la. Mas somente quando ela estiver concluída vocês poderão estar Comigo."